Ontem recebemos uma mensagem de um leitor, e como gostamos de satisfazer as necessidades de cada um, vamos hoje falar do dérbi FC Porto vs Boavista de 1997. Porquê? Bem, a RTP Memória decidiu transmitir esse jogo, ontem, pelas 17h da tarde. Eu assisti ao jogo e anotei algumas curiosidades, onde nada mudou desde esse tempo até aos dias atuais.

O FC Porto estava em primeiro do campeonato, isolado, e com a possibilidade de se colocar a uma distância de 6 pontos sob o segundo classificado, o Vitória de Guimarães. Já tinha jogado no Bessa nessa mesma época, perdendo por 2-0 na Supertaça de Portugal, ganhando posteriormente nas Antas por 1-0, o que não chegou e deixou o Boavista levar a Supertaça. Nesta visita ao Bessa, adivinhava-se um jogo cheio de emoção e com muita rivalidade. Era preciso uma arbitragem segura, o que no fundo, foi mais ao menos como hoje em dia. Numa jogada por volta dos 17min, Capucho recebe um laçamento, roda sobre Mário Silva, e este acerta com um pontapé em cheio na perna de Nuno Capucho! O árbitro marca falta, há umas disputas entre os jogadores, mas o amarelo fica no bolso. Na jogada a seguir, Secretário comete uma falta no meio campo do Boavista e o árbitro tira o amarelo do bolso. Um escândalo. Afinal, os polvos vivem muitos anos, e não apenas entre 3 a 5 anos. Havia uma dualidade de critérios impressionantes. Várias faltas duras, foras de jogo mal tirados a Jardel, foras de jogo que não foram tirados aos avançados do Boavista,… Até que o FC Porto faz o primeiro! Jardel de cabeça, como tanto gosta! Ainda se festejava e 1min depois Timofte arranca o empate numa excelente jogada! Jogo ao rubro e 3min depois Mário Jardel repõe a diferença no marcador com outro tiro de cabeça. Não foi preciso esperar muito para Timofte responder, 4min depois faz o empate e o jogo estava ao rubro! Intervalo com 2-2 no marcador. Um jogo jogado totalmente diferente, mas os comentários e os critérios, fazem lembrar os nossos dias.

Estava a ser uma guerra à moda antiga, literalmente. Imagino o que era ter o Maxi a jogar. Seria de louvar! Absorver o conhecimento de homens como Jorge Costa, Sérgio Conceição, Paulinho Santos,…seria memorável. Chegaram assim para a segunda parte, depois de perceberem que teriam de fazer mais do que o Boavista para vencer, afinal foi assim que o FC Porto chegou a onde chegou, a fazer mais do que os outros. O FC Porto viu Martelinho a entrar no lugar de Joel Pires. Gaspar não se deixou levar, e aos 57min fez o 3-2 para o FC Porto. A luta continuou e Martelinho, 6min depois repõe a igualdade! Quando é que iria acabar? Parecia que estaríamos a ver daqueles jogos de andebol, ora marco eu, ora marcas tu. Na altura, se eles soubessem que hoje é permitido o andebol dentro do futebol de 11, ficariam escandalizados. António Oliveira, não estava a gostar do que via. O árbitro continuava com o jogo jogado, o jogo que convinha, foi aí que o treinador do FC Porto lançou Grezgorz Mielcarski, aos 79min. Não foi preciso muito tempo, aos 81min fez o golo da vitória! 4-3 para o FC Porto e tudo indicava que tinha sido mera sorte… Como hoje em dia.

A verdade é que hoje vamos ao Bessa, e obviamente que o jogo jogado será completamente diferente. No entanto, vamos numa luta desigual. Vimos o que aconteceu na sexta feira passada, conseguimos sentir na pele o quão difícil é este campeonato. A necessidade de uma equipa chegar ao Tetra e a luta de outra contra tudo e contra todos. Hoje visitamos o Bessa, e Layún está revoltado (vê AQUI porquê). Não sei até que ponto teremos um dérbi à moda antiga, com uma batalha aguerrida e um muro a separar o bem, do que o árbitro da partida poderá fazer. Até já FC Porto.

[Total: 2    Average: 5/5]